terça-feira, 7 de abril de 2015

Concurso para professor em Goiás oferece menos que um salário mínimo

O recente anúncio do concurso da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás (Seduce/GO) tem levantado acalorados debates – como comprova o campo de comentários da matéria publicada neste CorreioWeb. O estopim da discussão foi a remuneração proposta para o cargo de professor temporário da rede pública. O salário de R$ 654,22, por 20 horas de trabalho semanais, está abaixo do piso nacional de R$ 1.917 proposto para a categoria – inferior, inclusive, ao salário mínimo (R$ 788).

Segundo o edital da Seduce, um professor temporário, com carga horária de 20h, vai receber R$ 654; de 30h, R$ 981 e de 40h, R$ 1.308. Em entrevista ao CorreioWeb, a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) Bia de Lima, afirmou que os valores desrespeitam a Constituição Federal, que prevê que nenhum trabalhador receberá menos do que o salário mínimo, e a Lei do Piso, atualizada em fevereiro pelo Ministério da Educação.

Para a presidente, as contratações temporárias têm sido um problema para a carreira do magistério público estadual, pois, os contratos são muitas vezes rompidos por desestímulo do professor, que acaba se desvinculando da escola.

A falta de professores em Goiás foi tema de acordo entre o sindicato e o governo do estado, que segundo Bia, não foi cumprido. Em 2013, uma ação do Ministério Público pediu à Justiça que obrigasse a Seduce a abrir o processo seletivo para estagnar as contratações temporárias e recompor a carreira do magistério público. Porém, nenhuma atitude foi tomada a respeito, de acordo com a sindicalista.

A categoria prepara reação: a primeira medida é o envio de representação ao Ministério Público para a realização de concurso público (são seis anos sem contratações permanentes). A segunda é cobrar do Tribunal de Contas do Estado (TCE/GO) atitude quanto ao uso das verbas da educação para solucionar o deficit de profissionais. E a última é convocar uma nova reunião na Assembleia Legislativa do estado para reajuste desses valores.

Em contrapartida, a Seduce afirma que cumpre o estabelecido na Lei nº 17.257, de 2011, sobre a remuneração para contratos temporários. De acordo com a assessoria de imprensa da secretaria, as jornadas de trabalho e seus respectivos salários estão todos previstos na lei. Informa ainda que os valores somente serão reajustados por meio de uma nova votação na Assembleia Legislativa de Goiás. O CorreioWeb entrou em contato com a Assembleia de Goiás, que informou ainda não haver data prevista para a discussão do tema.

Médio ou superior

A seleção oferece 1.805 vagas para o cargo de professor temporário, além de formação de cadastro reserva. Para concorrer, é necessário que o candidato tenha ensino médio ou superior que corresponda às áreas de conhecimento exigidas em edital.

Os candidatos passarão apenas por avaliação curricular. Na ocasião, serão analisadas formação educacional e experiência profissional. O concurso tem validade de um ano, a partir da data da homologação e pode ser prorrogado por igual período.

Compare abaixo a remuneração, equivalente a 20h semanais, de professores temporários em alguns estados brasileiros*

Mato Grosso R$ 1.739,29
Distrito Federal R$ 546,08
Goiás R$ R$ 654
São Paulo R$ 1.207,94
Tocantins R$ 1.730
Bahia: R$ 1.659

* Dados dos sindicatos dos professores da rede pública de ensino de cada estado

Por: CorreioWeb

Caminhoneiros já mobilizam greve caso governo não regule tabela do frete

Os caminhoneiros em Mato Grosso e empresas do setor do transporte de cargas já se mobilizam para voltar às margens das rodovias em protesto no dia 23 caso o governo federal não regulamente a Tabela de Frete Mínimo no dia 22. Em alguns postos de combustíveis em Rondonópolis faixas anunciando a possível parada já são vistas, bem como panfletos e adesivos no eixo Norte-Sul da BR-163. De acordo com a categoria, o preço pago pelo frete voltou a baixar novamente nos últimos 15 dias, chegando a R$ 75 no trecho Nova Mutum/Rondonópolis, valor este verificado antes da paralisação em fevereiro.

No dia 26 de março foi realizada uma reunião entre o governo federal, caminhoneiros, transportadores e tradings. Na ocasião os três subrupos do Grupo de Trabalho apresentaram os relatórios solicitados pelo da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto. Na reunião foram apresentados novamente dados da real situação do setor e uma proposta de Tabela de Frete Mínimo.

Na ocasião o governo federal pediu até o dia 22 de abril para regulamentar a Tabela de Frete Mínimo. Os caminhoneiros presentes na reunião votaram em voltar à greve no dia 23 caso o governo federal não cumpra a "promessa".

Como o Agro Olhar já comentou, a Tabela de Frete Mínimo é vista pelos caminhoneiros e empresários do transporte como uma possibilidade de fôlego para o setor, que vivência quase dois anos de crise e constantes aumentos de custos, principalmente do óleo diesel.
Em Rondonópolis faixas estão sendo colocadas em postos alertando que "Sem a tabela do frete, dia 23 o Brasil para!", bem como panfletos e adesivos estão sendo distribuídos.


Caso a paralisação retome, a pauta de reivindicação passará a ser a tabela de frete, redução do óleo diesel e prorrogação de todos os Finames independente do tamanho da empresa, de acordo com o representante de Mato Grosso, Gilson Baitaca.

Por: Olhar Direto

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Reajuste dos preços de remédios chega até 7,7%

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamento (CMED) fixou em até 7,7% o ajuste máximo permitido este ano aos fabricantes na definição do preço dos medicamentos.

A decisão foi publicada no "Diário Oficial da União" desta terça-feira.

A regulação é válida para um universo de mais de 9.000 medicamentos e os ajustes são autorizados em três níveis, conforme o perfil de concorrência dos produtos.

O nível 1, que tem o maior percentual de reajuste, inclui remédios como omeprazol (gastrite e úlcera); amoxicilina (antibiótico para infecções urinárias e respiratórias). No nível 2, cujo percentual é de 6,35%, estão, por exemplo, lidocaína (anestésico local) e nistatina (antifúngico).

No nível 3, que tem o menor índice de aumento, 5%, ficarão mais caros medicamentos como ritalina (tratamento do déficit de atenção e hiperatividade) e stelara (psoríase).

A autorização para reajuste leva em consideração três faixas de medicamento, com mais ou menos participações de genéricos. O reajuste segue a lógica de que nas categorias com mais genéricos a concorrência é maior e, portanto, o reajuste autorizado pode ser maior.


O ajuste de preços considera a inflação acumulada em 12 meses até fevereiro, calculada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e que ficou em 7,7%. Em 2014, o reajuste máximo autorizado foi de 5,68%.

Por: Do G1

Circuito de milho analisará eficiência de biotecnologias em lavouras de MT

Neste ano, a 2ª edição do Circuito Tecnológico – Etapa Milho em Mato Grosso começará duas semanas mais cedo que em 2014 e ocorrerá do dia 6 a 12 de abril. O período foi antecipado para que a equipe que visita as propriedades possa verificar de forma mais eficiente se as biotecnologias embarcadas nas cultivares de milho estão cumprindo seu papel na resistência a pragas, de acordo com o gerente técnico da Aprosoja, Nery Ribas.

O gerente destaca que a Embrapa Milho usará informações de padrões internacionais para medir exatamente a eficiência usada na biotecnologia das plantas de milho, que devem ser resistentes a pragas como a lagarta do cartucho. “O que vem ocorrendo é que esse patamar prometido por quem vende, não tem alcançado os objetivos finais. Não tem evitado que essa praga apareça e permaneça. O que o produtor tem notado nos últimos anos é que baixa essa eficiência”, afirma Ribas, durante a coletiva de lançamento do Circuito Tecnológico, na tarde desta quarta-feira (1º).

No ano passado, a Aprosoja/MT cobrou explicações de quatro multinacionais que comercializam sementes de milho transgênico para que se manifestassem sobre os problemas apresentados pela tecnologia transgênica de milho Bt, como a queda de resistência às pragas.

Serão visitadas 150 fazendas por quatro equipes que aplicarão questionários aos proprietários e coletarão materiais da lavoura também. A estimativa é de que ocorram oito coletas ao dia em lavouras de milho a cada 10 quilômetros de distância. “Com isso vamos obter informações estratégicas e preciosas sobre o potencial produtivo, pragas, infraestrutura, além de estimar o que vem pela frente com relação ao milho e assim poder buscar as melhores políticas públicas para o agronegócio”, diz o presidente da Aprosoja, Ricardo Tomczyk.

A semeadura de milho no Estado teve início nas últimas semanas de janeiro, paralelamente à colheita das lavouras de soja, e foi finalizada no dia 20 de março, chegando a uma área total de 2,9 milhões de hectares. A área é 8% menor que a área semeada no ano passado. A produção está estimada em 15,29 milhões de toneladas diante de 17,72 milhões de toneladas da safra passada, com uma produtividade que deve chegar a 86 sacas por hectare.

Em 2014, até o dia 26 de fevereiro – prazo da janela ideal de plantio -, haviam sido semeados 74,7% da área de milho do Estado. Em 2015, até esta mesma data, foram semeados 64% da área de milho do Estado, de acordo com dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Com o maior atraso na finalização da semeadura, os produtores terão um risco maior no cultivo do cereal, o que pode gerar uma produtividade menor também.

“Daqui para frente, o clima se torna um fator muito importante para as lavouras de milho”, ressalta o gestor técnico do Imea, Ângelo Ozelame. Segundo ele, para o período de 31 de março a 7 de abril, estão previstos de 40 a 50 milímetros de chuva para todas as regiões de Mato Grosso, mas a partir da semana seguinte, de 8 a 15 de abril, a previsão é de um menor volume de chuvas na região sul do Estado, de acordo com dados do National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA).


As equipes serão formadas por técnicos da Aprosoja, da Embrapa Milho, idealizadores do evento, e do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), que é apoiador.

Amanda Sampaio Do G1 MT

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Polícia Civil apreende mais de 200 pedras de crack em operação em São José do Xingu

Mais de 200 pedras de crack foram apreendidas pela Polícia Judiciária Civil, na sexta-feira (27.03), em uma ação da Delegacia de São José do Xingu (1.200 km a Nordeste), com apoio da Delegacia de Santa Cruz do Xingu (1.230 km a Nordeste), e Delegacia Regional de Confresa (1.160 km a Nordeste).

A apreensão aconteceu durante operação para cumprimento de mandados de busca e apreensão domiciliar, visando o combate a criminalidade na região, em especial o tráfico de drogas. Na ação os acusados, Francisco Rubson Costa e Silva, conhecido como “Chico da Cohab”e  Antonio Carvalho Rodrigues, conhecido como “Bugiganga”, foram presos em flagrante pelo crime de tráfico de drogas.

No cumprimento do mandado de busca e apreensão, na residência do suspeito Francisco, os investigadores apreenderam 194 pedras de crack, 15 porções médias de maconha, materiais para a mistura da droga, como sal amoníaco e água oxigenada, além de 06 aparelhos de telefone celular, entregues pelos usuários na troca do entorpecente, e a quantia de R$ 420, 00, em notas miúdas.

A segunda ordem judicial foi cumprida em um bar, na popular Rua da Mandioca. No local, policiais localizaram escondido em um buraco da parede do quarto do suspeito Antonio, 10 pedras de crack e o valor de R$ 310,00. Questionado sobre a quantia em dinheiro, o preso confessou ser do lucro da venda de 31 trouxinhas na noite anterior.
Após o flagrante, Francisco e Antonio, foram conduzidos à Delegacia de Polícia onde foram autuados em flagrante por tráfico de drogas.

Posse de arma

Em outra ação da Delegacia de São José do Xingu em parceria com a Delegacia Regional de Confresa, policiais efetuaram a prisão de Sebastião Alves Ferreira, conhecido como “Tião dos Bois”, na sexta-feira (20.03), pelo crime de posse ilegal de arma de fogo.

O acusado foi preso durante cumprimento de mandado de busca e apreensão domiciliar em sua propriedade rural, localizada no Distrito de Santo Antonio do Fontoura. A ordem judicial foi decretada visando apreender uma arma de fogo, utilizada em um homicídio ocorrido na dia 28 de fevereiro 2015, que vitimou Nilo de Abreu Damasceno.

Durante as buscas na chácara de Sebastião, os investigadores apreenderam uma espingarda calibre 28, uma garrucha calibre 22, e um revólver calibre 22, sendo esse último usado no crime de homicídio em investigação.
O suspeito conduzido até a Delegacia de Polícia e autuado em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

Participaram das ações os investigadores de polícia, Sonaque, Marcelo Assunção, Helder Augusto, Raphael Carrelo, os escriães Alinor e Lindomar, coordenados pelo delegado de polícia Hércules Batista Gonçalves.


As prisões integram a operação "Actio Auctoritatis", que visa dar cumprimento a mandados de prisão e fortalecer investigações roubos, furtos e tráfico de drogas. O trabalho está inserido no plano operacional da Secretaria de Estado de Segurança Pública, para os primeiros 100 dias de enfrentamento à criminalidade em Mato Grosso.

Por: PJC-MT

Tradicionalmente, 1 de abril é considerado o dia da mentira. Você sabe por quê?

São muitas as explicações para o 1 de abril ter se transformado no dia da mentira ou dia dos bobos. De acordo com uma versão, a brincadeira surgiu na França do século XVI. Nessa época, o ano novo era comemorado dia 25 de março e as festividades só terminavam no dia 1 de abril. Quando em 1564, o rei Carlos IX da França adotou o calendário gregoriano e determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Zombadores passaram a ridicularizar o dia 1 de abril, enviando presentes esquisitos e convites para festas que não existiam.
Outras justificam o dia da mentira com a ideia de que a data foi inspirada na natureza, que costumava enganar as pessoas na virada de março para abril com mudanças climáticas repentinas. Ao serem feitas de bobas pelo tempo, as pessoas resolveram também adotar a brincadeira.



No Brasil, o primeiro a adotar a brincadeira foi o periódico “A Mentira”, em 1º de abril de 1848. O informativo transmitiu a notícia sobre o falecimento de D. Pedro, fato que não havia acontecido e só desmentiu no dia seguinte. 




No imaginário de crianças e adultos, a mentira está associada à figura de Pinóquio, personagem que apareceu pela primeira vez em 1883, no romance As aventuras de Pinóquio, escrito pelo italiano Carlo Collodi. Depois de inúmeras adaptações, o personagem foi imortalizado no filme homônimo de Wall Disney. Toda vez que o boneco de madeira mente seu nariz cresce, como uma forma de evidenciar que a verdade sempre aparece.

A comemoração do 1 de abril se espalhou pelo o mundo, ficando conhecida como o dia da mentira. “Poisson d’avril” é o nome recebido na França e na Itália esse dia é conhecido como “pesce d’aprile”, ambos significando peixe de abril. E você, já enganou alguém hoje? Seja criativo, mas cuidado com o que vai dizer, uma mentira bem contada pode se transformar numa falsa verdade, com consequências imprevisíveis.